sábado, 21 de julho de 2007

A vida nada fácil do flamenguista

Já recebi cobranças! “- Ei Ana! Fui no blog e nada ainda. Vamos produzir!”, diz o recado escrito por um amigo no meu Orkut. Calma gente! A vida de mãe não é nada fácil. Mesmo assim, como nós mulheres somos versáteis, ou seja, fazemos várias coisas ao mesmo tempo, diferente do sexo oposto. Vamos lá.
Hoje eu vou falar de esportes. Em primeiro lugar quero parabenizar os atletas brasileiros, que estão dando um show no Pan-Americano 2007. Parabéns, principalmente, para o voltarredondense Thiago Pereira, maior medalista em pan-americanos. O cara está, como dizem os brothers “sinistro”.
Mas não é sobre isso o que eu quero tratar. Vou escrever sobre o Flamengo, time carioca, que há 100 anos, mais do que isso até, arrasta torcidas em todo país. Na última quinta-feira, dia 19 de julho, o time rubro-negro entrou em ação pelo campeonato brasileiro, o Brasileirão 2007. Meu marido, flamenguista mais que fanático, como sempre faz, reuniu a galera para assistir ao jogo, lá em casa.
Quero deixar claro que não sou flamenguista, nesta altura do campeonato nem torcer para time algum eu torço. Isso que dá casar com Flamenguista, ou você torce para o mesmo time que ele, ou nada feito. Se é assim, sou apenas uma torcedora brasileira.
Voltando à quinta-feira. Primeiro chegou o Thiaguinho, também conhecido com “Titica”. Gente boa! Logo em seguida chegaram Fabinho e Bonfatti, depois o Gambá, o Zé Antonin e o Giulliano. Calma aí! Faltou um outro fanático pelo Flamengo, o chara do meu marido Leonardo, também conhecido como Ratão. Mas a falta dele foi relevada, pois sua namorada e minha amiga Raquel estava dodói. O time estava quase formado, digo quase porque não tinham 11 jogadores, ué. Mesmo assim, com o falatório que eles arrumaram, dava para montar um time com técnico e tudo.
A alegria e confiança estavam a toda para o início da partida. Afinal, o Obina – jogador do Mengão entraria em campo, depois de seis meses fora dos campos. Cerveja pra cá, comentários pra lá, eis que chega a hora. Todos são só sorrisos e piadas, afinal, o Flamengo, que naquele dia enfrentaria o Paraná, em Uberlândia, no Parque Sabiá, não perderia jamais. Lá no Triangulo Mineiro, a torcida flamenguista chegava ao número de 30 mil pessoas. Quanto orgulho, hein????
O Flamengo entra em campo com seu time titular. PS: cabe aqui uma ressalva: time titular, isso porque quando o flamengo perde e está com o reserva, esta é a desculpa de todo flamenguista. “- Ah! Era o time reserva, não conta.”. Mas não, naquele dia eram mesmo os jogadores titulares do Mengão.
Logo de cara surge a primeira pérola da noite. “Ué, o Léo Moura não tá mais com o cabelo mosaico?, diz Thiaguinho”. Esperai aí! Pára tudo! Cabelo Mosaico? Ou seria cabelo moicano??? Ah! deixa pra lá, deve ser a cerveja, misturada com a emoção. Nessa hora vale tudo.
De longe, eu, Paulinha e Gabi conversamos e também tomamos nossa cervejinha. A euforia de frente à TV era enorme. Saí o primeiro gol do Flamengo, a torcida vai ao delírio. Os comentários são: “O Flamengo é foda mesmo”. “Haha, huhu.. o Sabiá é nosso”.
De repente, o silêncio! Que estranho? Mais tarde a resposta. Gol do Paraná e tudo fica quieto. “Ah, mas o Flamengo vai virar essa parada”, diz Zé Antonim, o mais otimista. Porém, não passa muito tempo, o adversário faz o segundo. Começa então os xingamentos. “Oh! Juiz seu ladrão, seu filho da p.....”.
Sim, porque todo torcedor fanático, quando seu time está perdendo, a culpa é da arbitragem e, mais especificadamente, do juiz, que está roubando para o time adversário. Mas não tem jeito, era o Flamengo que estava mal mesmo. Olho ao redor e vejo a cena: um roendo as unhas, o outro tapando os olhos, ao lado outro com a mão na boca e o da esquerda quase arrancando os cabelos.
Mas, espera aí: cadê o Obina? Ehhhh!!!!! Eis que surge o jogador mais esperado da partida. As esperanças se renovam e os olhares atentos à tela da TV até se tornam mais encorajadores. Porém, o Obina bem que tentou, mas o gol de empate não saiu. Nada passou de uma jogada mais audaciosa que saiu pela linha dos fundos. Que pena! E o pior que desta vez nem adianta falar que era o time reserva. Ah! Tudo bem, eles arranjam outra desculpa.
Vida de torcedor não é fácil mesmo. Torcedor do Flamengo é mais difícil ainda. O rubro negro está em 18º no brasileirão, com oito pontos, para ser mais precisa, na zona de rebaixamento. No domingo, dia 22, às 16 horas, ele enfrentará o Grêmio, no Estádio Olímpico. Aí meu amigo, seja o que Deus quiser. Ser torcedor é assim mesmo, amar o time ele ganhando ou não.

Bjkas para todos!

2 comentários:

Bonfa disse...

J� era hora!!!! vi tua foto no orkut...e pensei...acho q � agora!! hehehe vou ler ..bjos

tatiana disse...

É irmã tá sofrendo com esse marido flamenguista!!! Mas ainda bem que mesmo dizendo não torcer para time algum, pode se orgulhar do Tricolor Paulista, já que estamos na liderança do campeonato!
Bjinhos